Logotipo da Prefeitura Municipal de Campinas
 

NotÝcias

Campinas lanša Cartilha de Sa˙de da Mulher Negra nesta segunda-feira


27/10/2014 - 09:18




A Secretaria de Saúde de Campinas e o Comitê Técnico de Saúde da População Negra estão lançando a “Cartilha de Saúde da Mulher Negra”. O objetivo do documento é preparar a rede para o atendimento desta população, deixando os profissionais de saúde atentos para doenças que têm incidência maior na raça negra, facilitando seu diagnóstico. O lançamento da cartilha, direcionada para todos os serviços de saúde do município, será no dia 27 de outubro, segunda-feira, no Ceprocamp (Centro de Educação Profissional de Campinas Prefeito Antonio da Costa Santos), às 14h.

 

A cartilha foi elaborada por um corpo técnico da Secretaria de Saúde e foi baseada em estudos que apontam as doenças que mais acometem as mulheres negras. “O documento pretende auxiliar a entrada desta população em nossos serviços e orientar os profissionais que prestam atendimento para que tenham um olhar mais específico e um diagnóstico precoce”, explica a médica ginecologista Verônica Gomes Alencar.

 

O secretário de Saúde de Campinas, Cármino Antonio de Souza, ressaltou a importância da publicação. “Sabemos que cuidados específicos são fundamentais e os profissionais devem ter informações e praticar ações de orientação e acompanhamento desta população. Fico muito satisfeito com o trabalho do grupo técnico voltado ao tema que tem discutido e produzido textos e orientações. A informação é sempre a melhor forma de avançarmos e protegermos nossa gente”, disse o chefe da pasta, que parabenizou a iniciativa.

 

Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a população negra constitui, atualmente, mais de 50,7% do total da população do país - a maioria desse contingente é mulher. 

 

De acordo com o Ministério da Saúde, existe um consenso entre estudiosos sobre doenças prevalentes na população negra. Conforme informa o ministério, há as genéticas como anemia falciforme, deficiência de glicose; as que são adquiridas em condições desfavoráveis, como desnutrição, anemia ferropriva, doenças do trabalho, DST/HIV/AIDS, mortes violentas, mortalidade infantil, abortos sépticos, estresse, depressão, tuberculose; e as que são agravadas ou em que há dificuldade no tratamento, como hipertensão arterial, diabetes, doenças do coração, insuficiência renal crônica, câncer, entre outras.


Clique aqui para acessar as imagens desta matéria em alta resolução