Logotipo da Prefeitura Municipal de Campinas
 

Notícias

Tolerância Zero: operações partem para áreas descentralizadas


28/01/2010 - 20:09




Regina Rocha Pitta

 

O Comitê Gestor de Fiscalização Integrada de Campinas (Cofisc) realizou mais uma reunião de trabalho nesta quinta-feira, dia 28 de janeiro, com objetivo de estruturar novas operações do Tolerância Zero em áreas descentralizadas. Neste ano de 2010, as ações já saíram da área central e do Cambuí e atingiram os bairros do Taquaral, Guanabara e Castelo.

 

Segundo o seu coordenador e secretário de Assuntos Jurídicos, Carlos Henrique Pinto, o foco das ações são estabelecimentos comerciais que tenham elevado número de reclamações -seja no 156, 190, Disque-Denúncia-, com um diagnóstico prévio, de pertubação ao sossego alheio, desvirtuamento de atividade explícito e enfrentando também focos urbanísticos que possam ser facilitadores da criminalidade.

 

Ao falar sobre desvirtuamento de atividade explicito, Carlos Henrique deu como exemplo o caso do proprietário ter um alvará para lanchonete e utilizar o local para desmanche de veículos ou é explorador de menores. “São ações que vão demandar inteligência das polícias (militar e civil) e da Prefeitura, naquilo que lhe compete, dando e oferecendo todo o apoio, inclusive logístico, para a realização dessas operações”.

 

Ainda de acordo com o coordenador, “ninguém pode alegar que foi surpreendido pela ação do Tolerância Zero, “isso porque nossa lei é muito benevolente. Nunca acontece de um estabelecimento ser lacrado imediatamente sem que ele tenha tido a oportunidade de se defender ou de cumprir a intimação. Aquele que é lacrado é porque acreditou que não haveria uma fiscalização posterior. O processo do Tolerância Zero fica embaixo do braço do fiscal”, salientou. Até o momento, 170 estabelecimentos já foram visitados e muitos revisitados por terem descumprido o lacre. 

 

Durante a reunião foi relembrado que o abuso do solo público, como por exemplo, a utilização de canteiros centrais e calçadas por revendas de veículos também são alvo das operações, assim como as antenas celulares clandestinas.

 

Bom dia, morador de rua

 

Um resumo do Bom dia, morador de rua foi apresentado aos participantes da reunião. Até a última ação inclusive, promovida no dia 19 de janeiro, 813 pessoas já passaram pelo atendimento na base da operação que fica na antiga rodoviária. Desse total, 41,2% das pessoas aceitaram algum tipo de encaminhamento, contra 35% não aceitaram qualquer ajuda. Ainda, 3,5% foram acolhidas pelo Conselho Tulelar; 19,8% foram encaminhadas para suas cidades de origem com referenciamento, ou seja, foi verificado pela Secretaria de Cidadania, Assistência e Inclusão Social se tinham família ou parentes na cidade que as recebessem.

 

“Com esse levantamento, ficamos sabendo que do total de cadastrados, 17% são de Campinas, enquanto 47% vieram de outras cidade do Estado de São Paulo, assim como 27% que são outros estados. Empiricamente, posso dizer que grande parte é do Paraná. E somente 1% não foi possível determinar de onde são”, explicou o coordenador.

 

Com o cadastramento feito pelas polícias Civil e Militar já foi possível a prisão alguns criminosos procurados pela própria polícia, assim como a de traficantes que atuavam na área central.

 

Participaram da reunião, além dos secretários de Cooperação nos Assuntos de Segurança Pública Almirante Pedro Álvares Cabral e de Cidadania, Assistência e Inclusão Social Darci da Silva, o presidente da Setec Achilli Sfizzo, os majores PM Arraes e Kanno, e o delegado titular da 13º DP, José Roberto Rocha Soares, que elogiou as ações integradas do Cofisc realizadas pelas polícias e os órgãos municipais.

 

 

Crédito: Foto: Valéria Abras

Crédito: Foto: Valéria Abras

Crédito: Foto: Valéria Abras

Crédito: Foto: Valéria Abras

Crédito: Foto: Valéria Abras

Crédito: Foto: Valéria Abras