Logotipo da Prefeitura Municipal de Campinas
 

Notícias

Enquete digital recebeu quase 3 mil contribuições


21/01/2015 - 17:24




 

 
A enquete “'Ajude a pensar a cidade que queremos!”, disponível no portal da Prefeitura de Campinas (http://www.campinas.sp.gov.br), entre os dias 17 de setembro a 30 de novembro, recebeu 2.948 contribuições para o processo de revisão da legislação urbanística do município. O questionário permitiu ao cidadão indicar os principais problemas e qualidades do seu bairro e da cidade e seus desejos para a construção de uma cidade melhor e com mais qualidade de vida.
 
Os itens mais citados pelos cidadãos que participaram da enquete, em relação às qualidades dos bairros e da cidade, foram comércio próximo a moradia (14%), e árvores que tornam o ambiente agradável (10 e 11%) bairro e cidade, respectivamente. Quanto à qualificação dos bairros, também foram citados como pontos positivos local tranquilo e silencioso (13%) e escolas nas proximidades (12%). Em relação à cidade destacaram-se também como positivos os itens atividade residencial e comercial misturadas (14%) e quantidade suficiente de comércio e serviços nos bairros (11%).
 
A enquete abordou também os desejos dos participantes para a construção de uma cidade melhor e com mais qualidade de vida. As opções desse item foram divididas em dois grupos. No grupo um, foram apontados quantidade suficiente de postos de atendimento médico e hospitais (20%), de escolas e creches (17%) e de moradias de baixo custo para população de baixa renda (16%). O grupo dois apontou sistema de transporte coletivo eficiente e confortável (26%) e trânsito bom e sem congestionamentos (16%).
 
Perfil dos participantes
 
A análise preliminar da equipe mostrou participação equilibrada de todas as faixas de renda e maior número de participantes da região norte e central da cidade. Todos os graus de escolaridade acessaram o questionário, porém a porcentagem maior foi de ensino superior completo, e a faixa etária que mais participou ficou entre 19 a 30 anos (44%) e 31 a 59 anos (45%).